terça-feira, 25 de julho de 2017

Jim Carrey depois de “zombar” dos “Illuminati” promove Satanismo na TVe agora posa de “Crente”

Em janeiro de 2015, Jim Carrey fez uma aparição no programa do Jimmy Kimmel para promover seu novo filme. Ele não perdeu a chance e zombou nas "teorias de conspiração da Internet" ao fazer constantemente o "sinal do triângulo" com a mão, enquanto mostrava sua língua no meio. Ele disse que aquilo é a "língua que tudo zomba" dos Illuminati. Ele está fazendo exatamente o que a mídia tem feito há anos: ridicularizar para descredibilizar. 
Assista ao vídeo 


Em setembro:

Jim Carrey é acusado de ter comprado drogas que mataram sua ex-namorada


Jim Carrey foi acusado por ter comprado as drogas prescritas que mataram sua ex-namorada, a maquiadora Cathriona White, segundo o site TMZ. O processo contra o ator é do ex-marido de Cathriona.

Segundo o TMZ, a ação menciona que três tipos diferentes de pílulas foram encontrados em um frasco com o nome de Athur King, que seria um pseudônimo de Carrey. É ilegal comprar remédios com o nome de outra pessoa.
Ainda segundo a ação, Carrey teria dado o frasco com as pílulas para Cathriona três ou quatro dias antes da morte dela. O processo acrescenta que o ator sabia que a ex tinha tendência à depressão e já havia tentado se matar.
Carrey ainda não falou sobre as acusações.

Cathriona morreu em setembro de 2015, aos 28 anos. A causa da morte foi overdose de remédios, e pílulas foram encontradas perto de seu corpo.
                                                                                                                                                  Carta de suicídio
A maquiadora deixou uma carta de suicídio dirigida a Carrey, referindo-se à data em que o    casal terminou o relacionamento, em 24 de setembro. Cathriona publicou seu último tweet no dia 24 de setembro: "Deslogando do Twitter, espero que tenha sido uma luz para os meus queridos".
Jim Carrey, de 54 anos, e Cathriona se conheceram em 2012, namoraram por alguns meses e depois se separaram. Em maio de 2015, o casal voltou a namorar e terminou de novo.

Jim Carrey poderá vir a ser julgado pela morte da ex-namorada e maquiadora Cathriona White, por possivelmente ter conseguido as drogas que fizeram a maquiadora morrer por overdose.  A indícios que o ator também tentou dificultar o trabalho da investigação.

A juíza Deidre Hill do Tribunal Superior de Los Angeles se recusou a arquivar o processo contra Jim Carrey. O caso vai a julgamento no dia 28 de abril de 2018. Ele pode ser condenado por homicídio culposo, no caso quando não a intenção de matar, mas se tem a culpa pela morte. Já o advogado de Jim Carrey alega que as drogas dadas pelo ator à vítima não teria ligação com o caso.                                                                                                                                                                                                                                        
Os amigos da maquiadora falaram que ela se classificava como “loucamente apaixonada” pelo ator, mas que o relacionamento dos dois era como uma montanha-russaO relacionamento entre os dois começou em 2012 e foi cercado de momentos conturbados e várias idas e vinda.                                                                                                                                                                                                                                                                      Jim Carrey está com 55 anos, é ator, comediante, roteirista e produtor, tendo atuado em dezenas de filmes de comédia. Os principais que lançaram Jim Carrey ao estrelato foram “Debi e Loide”, “Ace Ventura” e “O Máscara”, todos lançados em 1994. Curiosamente, esses três filmes acabaram virando desenhos animados posteriormente.                                                                                                                                                                                 Jim Carrey também atuou em filmes dramáticos e de suspense, como “Brilho eterno de uma mente sem lembranças”, onde ele interpreta um rapaz que resolve passar por um procedimento para esquecer todas as lembranças de sua ex namorada, após saber que ela passou pelo mesmo procedimento. Outros filmes foram “O Show de Trummam” onde seu personagem descobre que sua vida na verdade é um grande reality show e “Número 23”, onde ele atua como um homem que se torna obcecado pelo número 23.                                        Jim Carrey também é conhecido por outros filmes, como “O todo poderoso”, “O Grinch”, “Batmam eternamente”, “O mentiroso”, “Desventuras em série” e “Sim senhor”.                                                                                                                                                          A eventual aproximação de Jim Carrey do Evangelho não foi notícia na imprensa norte-americana, muito menos na mídia voltada a celebridades, que é muito forte em Hollywood. No entanto, a fala do ator indica que ele tem se apoiado na fé para superar as adversidades, já que deverá enfrentar um julgamento pela morte da namorada em breve.

                                      Assista ao vídeo



" Seria esse o motivo de Carrey passar a demonstrar uma tão "rápida" conversão ao cristianismo evangélico ? Ou será apenas uma  "Maskara" a ser usada até o dia do julgamento ?  Vamos esperar para ver."                                                                       palavras de Carlos A. Neto - autor deste blog

sábado, 22 de julho de 2017

Em encontro com Caio Fábio, Kleber Lucas canta Paralamas do Sucesso


O pastor Caio Fábio compartilhou um vídeo gravado no último sábado dia 15/07 em que está junto com o cantor e pastor Kleber Lucas. Na ocasião, o artista interpreta “Lanterna dos Afogados”, hit do Paralamas do Sucesso.

   Cantor interpretou "Lanterna dos Afogados" e perguntou aos presentes se "também sabiam essa "música do mundo"

Kleber, que causou polêmica este ano por cantar “Epitáfio”, dos Titãs, em um culto, repetiu o feito.  a dificuldade da vida das mulheres que aguardavam os maridos pescadores voltarem pra casa, depois de uma rotina de labuta.

O nome da canção é baseado num capítulo do livro Jubiabá, do autor brasileiro Jorge Amargo. Nas palavras de Fábio, “O capítulo retrata o bar Cais do porto, onde as mulheres dos pescadores esperavam os seus maridos com lanternas, para ajudá-los a achar o caminho certo”. 

                                                                                                                                 A letra aborda a dificuldade da vida das mulheres dos pescadores que saem para pescar e nem sempre voltam para casa. Elas aguardavam os maridos com grande ansiedade e expectativa, pois o risco é frequente e as mulheres ficam aflitas, rezando e torcendo para que possam ver seus maridos de novo.



O nome Lanterna dos Afogados vem de um capítulo do livro “Jubiabá”, de Jorge Amado. O capítulo retrata o bar Cais do porto, onde as mulheres dos pescadores esperavam os seus maridos com lanternas, para ajudá-los a achar o caminho certo.
                                                                                                                                A canção foi tocada no violão por Kleber, que foi acompanhado por sua banda. Caio Fábio segurou o celular com a letra da música. Além dos Paralamas, “Lanterna dos Afogados” também foi gravada por Maria Gadú.

" Eu não concordo com essas práticas de "evangelização" porque no meu, parco, entender a reapresentação dessas músicas seculares podem acarretar um desejo, ainda que breve, de aquele que está ouvindo-as, dentro de um ambiente supostamente gospel, também sinta-se tentado a ir "só um pouquinho" a um show de artistas seculares."                                                                  palavras do pastor Carlos A. Neto autor deste blog
Em tempo:                                                                                                                                                                                                                                                                                     Relembrando os Beatles, Caio Fabio diz: “Na Papuda, fui tratado como se fosse Jesus, por todos!”